Compartilhe

A J & J  (Johnson & Johnson) foi condenada nesta quinta-feira (4), por um júri do Missouri, Estados Unidos, a pagar mais de US$ 110 milhões (R$ 348,7 milhões) a uma mulher do Estado da Virginia, que diz ter desenvolvido câncer de ovário após o uso, por décadas, de produtos à base de talco para higiene feminina.

O veredicto no tribunal estadual em St. Louis foi o maior até agora a ser definido, entre cerca de 2.400 de ações judiciais que acusam a J & J de não alertar adequadamente os consumidores sobre os riscos de câncer, com a utilização de produtos à base de talco, incluindo o conhecido talco para bebê.

Muitos desses processos estão pendentes em St. Louis, onde a J & J enfrentou quatro julgamentos anteriores, três dos quais resultaram em veredictos de US$ 197 milhões (R$ 624 milhões) contra a empresa e o fornecedor do talco.

O veredicto de quinta-feira é decorrente de uma ação contra a J & J e o fornecedor Imerys Talc, de autoria de Lois Slemp, uma residente de Virgínia que está passando por quimioterapia após seu câncer de ovário, diagnosticado em 2012, ter retornado e se espalhado para seu fígado.

Slemp alegou que ela desenvolveu câncer depois de usar por quatro décadas produtos da J & J, incluindo talcos para bebê e para banho.

Ted Meadows, advogado de Slemp e de outros que entraram com ação, disse em um comunicado:

— Mais uma vez nós mostramos que essas empresas ignoraram a evidência científica e continuam a negar suas responsabilidades para com as mulheres da América.

— Estamos nos preparando para outros julgamentos neste ano e continuamos defendendo a segurança do Baby Powder (talco para bebês)”.

R7

Leia mais notícias em Catolé em Foco, nos siga nas redes sociais =>Facebook, Instagram e Twiter.
Entre em nosso grupo do Facebook e do whatsapp. Contato (83) 9.9980-8979 - Email: [email protected]