Compartilhe
VEJA VÍDEO: Homem que ameaçou matar Moro publica resposta e diz que haverá guerra civil se acontecer a prisão de Lula
Classifique esse post

Em resposta a onda de ódio, o homem que aparece no vídeo, identificado como Gilberto Braw se defende. Segundo ele, o fragmento veiculado de pouco mais de três minutos foi retirado de um vídeo de quase duas horas de duração, que contou com outros participantes convidados a fazer uma analise politica do que ocorre no momento no pais, sobre os sucessivos ataques da rede Globo a Lula e do que poderia ocorrer em Curitiba dia 3 de maio.
Gilberto Braw, falou durante 35 minutos, onde fez sua analise da conjuntura e mesmo sendo petista fez severas criticas à direita, ao judiciário, ao próprio PT, a esquerda e ao ex presidente Luís Inácio Lula da Silva.

Entre suas análises, Gilberto deixou claro que achava que poderia estourar uma guerra civil caso o juiz Sérgio Moro mandasse prender Lula. Na sua fala, Gilberto garante que se apresentada uma única prova da culpa do ex presidente ele reconheceria o erro e não mais defenderia Lula.

Segundo Gilberto com base nessa edição (do video), a direita vem espalhando este video na “vã esperança de assim conseguir reagrupar suas forças que, foram humilhadas na ultima manifestação com a inexpressiva adesão popular”.

Questionado se o blogueiro iria representar contra seus acusadores, Gilberto deixa claro que é segundo a normativa do STF um jornalista e defende a liberdade de expressão, assim esta deve ser respeitada seja a favor ou contra. tanto que em suas paginas não apagou um comentário se quer, para assim ensinar seu filho que deve-se defender a democracia a a liberdade de expressão sempre, seja a favor ou contra, mais do que isso, é dar a oportunidade para que estes mesmos que o atacaram, possam ver o video na integra e com certeza verem que novamente foram enganados por grupos de extrema direita, o que inclusive tem ocorrido com alguns que tiveram acesso ao video na integra e arrependidos retiraram seus comentários de suas paginas.

Fonte: Polêmica Paraíba